29.8.14

Exótic - Discipline Military - Sexta-feira!



Amigos e amigas fetichistas,
 
É com muita felicidade que convido todos vocês para uma super edição da: "Exòtik Fetish Fest – Discipline Military". O evento será na próxima Sexta-feira, dia 05 de Setembro, a partir das 23 horas no Castle Of Vibe, localizado na Avenida Gomes Freire 814, Lapa, Rio de Janeiro.

Venha se divertir nessa grande festa fetichista, onde teremos um excelente espaço liberado para qualquer prática feichista: Trample, adoração de pés, Spanking, Torturas de todo o tipo, Poney Boy, Velas, Voyerismo, Shibari, Dog Play, Cross Dresser, Bondage, CBT, Suspensão, uma linda performance burlesca com Alicce RedDesire e muito mais. Muita gente bonita já confirmou presença.
A lapa, berço da Boemia carioca é novamente escolhida para abrigar essa grande festa, o local é super discreto e seguro. Teremos o DJ Finno tocando a noite som dos anos 80, Eletro Pop, House, Tribal e muito Rock'n'Roll , além de vários filmes BDSM e fetichistas selecionados por mim e pelo experiente VJ Mário Tapete.
Haverá ainda Fetish Shows, variadas performances de BDSM, estande de acessórios, sorteio de pés e de brindes e Stand da Cris Fantasy!

Ingressos no local:
Homens 50 Reais (Com nome na lista pagam somente 40 Reais)
Mulheres 30 Reais (com nome na lista pagam somente 15 Reais)
C. D. 30 Reais (a noite toda)

Lista amiga: Existem três o opções para colocar seu nome na lista e arranjar o desconto:
1-     Colocando o nome na página do evento no Facebook
2-     Mandando um SMS com o seu nome para: 21 9 9784 6948
3-     Mandando um e-mail para mim até as 18 horas do dia da festa – quaternado@yahoo.com.br

Dress Code (opcional) : FARDA, All Black, Fetish, Couro, Latex, Lingerie, Vinil, Style Sexy, Goth e Zentai

Informações: 21 9 9784 6948    
Lótus Produções Fet
* Proibido fotografar
* Sujeito à lotação e alteração sem aviso prévio.
* Classificação etária 18 anos

Ps. Faremos nossa tradicional concentração a partir das 22 horas no bar Sinucas da Lapa(Rua Riachuelo 44 - Lapa) - (se tiver mesa sobrando, se não estaremos no bar ao lado do Castle of vibe, tudo  bem próximo ao local da festa. Chegue mais cedo e comece a se envolver antes.

18.8.14

Fetish Lab - Invasion Day 2 - Ata



Essa Fetish Lab foi singular perante as suas edições anteriores por dois principais motivos, primeiro porque foi visivelmente um evento mais vazio que os anteriores, em que o público lotou as primeiras edições. E segundo, e mais importante, foi a Fetish Lab mais BDSM de todas, apesar de ter sido a edição com menos performances. Parece um paradoxo não é mesmo? Mas é verdade! Esse evento foi diferente de tudo, e se eu quiser dar uma visão do que foi tenho que recuar um pouco no tempo, na época em que o BDSM ainda não havia se firmado muito bem em festas abertas, ou melhor, em um momento em que nossas festas não eram conhecidas, e somente abrangiam um público mais específico, e as pessoas que curtiam determinadas práticas acabavam se conhecendo pessoalmente nelas. Fazendo uma breve analogia com o cinema, seria como aquele diretor que atrai multidões para ver seus filmes comerciais e que é uns dos campeões de bilheteria, mas que de repente se envolve em um projeto bem introspectivo e lança uma película no circuito de cinema alternativo cuja proposta implícita é a de abranger um público menor que o seu, contudo consegue realizar um trabalho magnífico, que apesar de ser para poucos, se torna sua grande obra prima. Esse, ao meu ver, foi o melhor momento do Júlio como diretor do seu laboratório de experimentos fetichistas. Não sei se proposital, mas funcionou perfeitamente bem. O clima era nostálgico das antigas festas fetichistas: os conhecidos que se encontravam já iam se envolvendo no clima e procurando um cantinho para uma possível play, e uma grande variedade de pessoas novas que chegavam, e que de alguma formam já haviam praticado ou tinham conhecimento das práticas BDSM, logo se acomodavam por perto, observavam os acontecimentos, flertavam e conheciam pessoas novas.

Não fiz a concentração que marquei porque passei pelo bar “sinucas da lapa” e não tinha nenhum rosto conhecido, pensei em ir então até o Castle Of Vibe pra ver como andava os preparativos para a festa e depois voltar para beber no “sinucas”, mas acabei nem voltando. Deu um problema com o recebimento da lista dos participantes e me pediram para achar um bar com Wi-Fi para tentar abrir a lista pelo meu WhatsApp. Então, achei um barzinho maneiro bem ao lado da festa que disponibilizava a Internet para os clientes e ainda vendia uma grande variedade de cerveja importada. Sentei sozinho na mesa e comecei a copiar os nomes das listas à mão, uma trabalheira danada, mas como tinha cerveja por perto encarei como trabalho prazeroso (do mesmo jeito que estou fazendo a ata agora, bebendo uma cerveja gelada). Logo a seguir se sentou ao meu lado um amigo que conhecia um casal da outra mesa, e esses se juntaram a nós, e o papo que rolou foi sobre cães “abandonados” e seus donos mendigos, que dividem com o bichano o pouco que tem, mas isso não vem ao caso. Terminei de copiar a lista e subimos juntos para a festa, que atrasou seu início em mais de quarenta minutos.

Fiz o que sempre faço, saí cumprimentando os conhecidos e os desconhecidos, dando boas vindas e mostrando a casa para os que não a conheciam, depois fui lá pra salinha onde a turma do BDSM costuma fixar habitat. Não tinha quase ninguém, estava praticamente vazia, ao não ser pela deslumbrante presença de três Rainhas totalmente inéditas em nossas festas: Duas aqui da minha terra de Niterói, e uma, se não me falha a memória, do Paraná : “vim curtir um evento da Cidade Maravilhosa”, me disse no decorrer da festa. Com essa última não fiz nenhum tipo de play, todavia com uma de Niterói abri os trabalhos no evento, começando com uma massagem e terminando beijando suas lindas solinhas. Seus pés eram lindos, e estavam com aquele cheirinho perfeito que a grande maioria dos podólatras ama. Como era sua primeira vez, ficou um pouco tímida de ter os pés beijados assim logo de cara no começo da festa, mas fui convincente, falei que essa cena nesse ambiente era tão natural quanto ver o flamengo levar gol no Brasileirão, então ela relaxou e curtiu o momento.

Logo que acabei essa play me encontrei com Lilith e com seu namorado (ou marido?), ela me convocou para um trample lá no corredorzinho que dá para aquela jaula. Ela chegou me dizendo que aquele espaço era perfeito para o trample e que queria testar isso comigo. Claro que topei né? Quem nega um trample com a poderosíssima Rainha Lilith? Ela começou de salto, pisou bastante e depois me fez tirá-los, aí me pisou bem mais forte, ela estava com uma meia fina preta maravilhosa. No final se sentou na minha barriga e me fez calçar suas sandálias e abotoar o fecho, cruzando as pernas na altura no meu tórax, seus pés ficaram a centímetros do meu rosto, uma visão perfeita. Fez-me beijar a sola de sua sandália e terminamos o primeiro trample da noite.

Uma coisa curiosa foi que quase todos os meus tramples, com exceção do último, aconteceram na primeira hora de festa.
Rainha onça me chamou pro trample naquele andar que tem o DJ, onde a galera usa como pista de dança. Fiquei tão empolgado com o convite que me deitei no primeiro canto vazio que achei e me preparei para o massacre. Ela veio que veio, me pisou muito, porém eu estava muito apertado para fazer xixi, e cada pisada na bexiga me dava um desespero danado. Fui vencido pelo xixi! Mas calma, não mijei nas calças não, pedi para parar e fui ao banheiro. Só que infelizmente terminamos a play cedo demais.
Numas dessas minhas idas e vindas ao banheiro me deparei com uma cena muito maneira: o Pervertedor usou as grades daquela jaula para amarrar uma escrava. Ela estava por dentro, e ao que parece ele fazias os nós pelo lado de fora, muito bacana.
Depois de muito tempo fiz um trample com a linda Fulana. Eu acho seus pezinhos a coisa mais linda, ela veio descalça e andou muito tempo sobre meu corpo, inclusive no rosto, que pareceu ser seu lugar predileto para ficar, matei a saudade!
Na pista de dança tinha uma loirinha linda que até agora não sei se tava acompanhada com o namorado ou sozinha, só sei que uma amiga veio falar que ela era meio tímida e que queria uma massagem nos pés. Fui lá, tirei seus sapatinhos e fiz uma bela massagem nos seus pés, complementada com uns beijinhos na sua macia sola. Depois ele teve seus pés adorados por mais uns dois podos.
Aquela Rainha do Paraná que citei acima também teve seus pezinhos adorados por mais de um escravo, e também as gatas aqui de Niterói fizeram sucesso com seus belos pés.
Fechei minha noite com a fenomenal Rainha Onça. E dessa vez de bexiga vazia! Então deixei a gata fazer o que tivesse vontade, e seu forte é a dança. Então ela dançou umas duas ou três músicas em cima de mim. E como já disse em outras oportunidades ela pisa como se estivesse numa pista de dança, detona pra valer! Quem acha que não aguenta não arrisca! Foi perfeito (para abotoar suas lindas sandálias vermelhas é que foi hard, demorei uns dez minutos, mas valeu, pois assim fiquei mais tempo perto de seus pés assassinos).
A Linda Wendy que estava acompanhada pelo seu DOM e por mais uma bela menina me ofereceu carona, e disse que apesar da festa varar a madrugada, não iria embora tão tarde. Mas apesar disso não consegui esperar, bateu um tremendo cansaço e fui pra casa mais cedo do que esperava. Acho que saí de lá as 3:30 da manhã, e ainda tinha muita festa pela frente. Certamente rolaram muitas plays, pois quando fui embora as coisas ainda estavam no seu melhor momento. Na próxima vou tentar ficar até o sol raiar, prometo.
Um abraço ao Júlio, pelo carinho de sempre, estaremos sempre juntos meu brother!
Beijos a todos, agora só em Setembro!

12.8.14

Fetish Lab - Invasion Day 2 - Sábado!



Meus amigos fetichistas,

Com muitas novidades e querendo mais uma vez surpreender, chega até vocês à esperada terceira edição da “FETISH LAB – Invasion Day 2”, no novo espaço carioca para nossas práticas de BDSM, o Castle of Vibe. Mantendo a proposta de trazer a mais alta qualidade musical e de muita variedade em performances, esse evento promete divulgar para um amplo público todas os prazeres das nossas noites fetichistas, enriquecendo e ampliando cada vez mais o BDSM  na nossa cidade.
A Fetish Lab vem também lotada de belas performances de trample, Shibari, Poney play, Bondage, Spanking, Velas e muito mais, tudo isso ao empolgante som fetichista de Dj DvogT ( DDK, Bazar Noir ) e Dj Ramonah ( Ferri Party, Um Drink no Inferno) com o que tem de melhor no Classic Rock, Industrial, Gothic e outros.
Então anota aí, nessa Sábado 16 de Agosto, à partir das 23 horas, na Avenida Gomes Freire, 814 LapaFetish Labno Castle of Vibe!

Homem 30 Reais confirmando presença*, e 40 sem confirmação.
Mulher 20 Reais confirmando presença* , e 30 sem confirmação.

  • Para confirmar presença e ter o desconto basta entrar na página da Fetish Lab no Facebook e clicar confirmando presença. Ou então mandar seu nome para esse e-mail: fetishlablista@gmail.com
  • Aquele que confirmou e compareceu na última edição da Festa Delírium terá 50% de desconto na entrada dessa Fetish Lab, para isso confirme os dados pelo email da Fetish lab.

Nos vemos no Sábado, muita novidade nos aguarda!

Ps. Faremos a tradicional concentração no barzinho Sinucas da Lapa, bem próximo a festa, na Rua Riachuelo, chegarei por lá uma hora antes do começo da festa para já começar a biritar e aquecer

11.8.14

Delírium Burlesque & (Fetish Lab Invasão) - Ata



Como nos velhos tempos a cidade do Rio de Janeiro pode se orgulhar de ter três festas fetichista em atividade. Quinta-feira foi à vez da Delírium, que apesar de ser trimestral, é a mais antiga em atividade e mantém um público fiel, incluindo alguns que só aparecem nela. Foi à segunda edição da festa nessa imensa casa que é o Clube SIX: na primeira eu não pude ir, mas dessa vez não podia perder, ter uma festa fetichista com bebida liberada é uma coisa que sempre sonhei, e apesar de ter acontecido durante a semana, não me contive e bebi todas!
Já saí bebendo de Niterói, encontrei com Tom Tom dentro do ônibus, fomos conversando sobre Rock and Roll, já que o cara além de podólatra, cartunista, pintor e criador de HQ é baterista de uma banda de Rock. Descemos um pouco depois dos Arcos da Lapa e já partimos para a festa, estávamos muito bem acompanhados da minha Rainha Camille Dame.

Ao chegarmos, a casa parecia estar bem vazia, mas era só aparência, já que a boate é imensa e automaticamente o povo se dispersa, cada um formando um grupinho em algum dos andares ou dos salões da casa. Foi só quando cheguei que entendi que a festa do Júlio, ou seja, a Fetish Lab, ia acontecer em um dos andares da festa, que não seria tudo junto como acontece nessas uniões de eventos fetichistas. Mas na verdade dava no mesmo, já que a maioria dos participantes ficava zanzando entre uma festa e outra, como eu, por exemplo.

Já fui em várias boates onde a bebida era liberada, mas nunca tive tanta facilidade em pegá-las como nessa festa, pois não tinha confusão nem fila, era só chegar e encher o copo, uma Maravilha! Nos três andares havia um grande balcão com vários garçons servindo, então era só chegar junto. Na primeira hora de festa eu já estava ficando bêbado, tive que maneirar, fazer algo diferente, um trample ou uma adoração em algum pezinho. A Rainha Camille foi quem abriu os trabalhos, havia um podo nos pezinhos dela logo na entrada da festa. No terceiro piso, quase nesse mesmo instante, Rainha Branca de Neve também tinha os pés adorados por outro podo. Meus queridos amigos Malpodo, Sandrinho e Mário estavam presentes, mas não os vi em ação.Meu primeiro trample foi nesse espaço, onde ocorria a Delírium – se é que podemos dividir a festa em duas – e foi com a Malvada Rainha Ellen, que eu já estava na maior saudade, e foi assim: Ajoelhei-me aos seus pés, tirei seus sapatinhos, cheirei suas solas e me deitei preparado para ser massacrado, e logo vieram altos pulos e velhas emoções. Resisti ao máximo e no meio da play caiu um cisco no meu olho, eu não tinha condições de mexer na vista, meu corpo estava totalmente em sincronia com os pulos da Rainha, e quando ela percebeu algo estranho parou de pular, deve ter achado que eu estava morrendo. Minha querida Ellen, ainda não foi dessa vez! Seria uma honra morrer sob esses pés!
Um pouco depois disso foi à vez da Rainha Lindinha acabar comigo. Na verdade eu estou devendo um trample mais duradouro com essa Deusa, eu sempre paro muito cedo, sempre com uma pequena lesão que não me permite continuar. Dessa vez ela começou de botas, e estava tudo bem, apesar dela não ter aliviado em nada nos pulos e nas pisadas. Mas foi quando já estava descalça que um dos seus pulos me pegou desprevenido e me deu uma nocauteada, paramos mais cedo do que gostaríamos.
O Grande Nelson estava presente, e o vi fazendo um belo trample com malvada Rainha Manu, que mesmo descalça consegue ser cruel e sexy, não canso de observar a perfeição de seus pezinhos!
No segundo andar tinha um cara amarrando uma mulher e ao seu lado uma bonita cena de adoração de pés em uma espécie de poltrona que servia de banco para uma mesa. No primeiro andar uma turminha animada discutia fetiche e música, entre eles Camille Dame, Rainha Jade, Lionel, Elaine, Poney e mais outros que só sei o nome e não o nick.

Na passagem do primeiro para o segundo piso havia dois estandes vendendo produtos eróticos: um com chicotes, algemas, cordas e etc, e outro, da minha amiga Wendy, com bombons e chocolates em formas de órgão sexuais, e com um bom preço, acho que 15 Reais a caixa. Presentes interessantes.
Tanto Júlio quanto Caê são duas figuras extremamente amigas e carismáticas, falam com todo mundo, estão sempre presentes nos acontecimentos ao redor; e isso foi importante para que a festa, mesmo com um excelente público, não parecesse vazia, já que a casa, como eu disse, é extremamente grande. Eu acho que o tamanho da boate pode ter sido o único fator prejudicial da noite, já que um público daquele lotaria qualquer outra casa que já hospedou eventos desse porte.

Mas voltando as Plays, Márcia Bjork foi acompanhada com uma mulata de tirar o fôlego de qualquer um, tinha um monte de podo secando a morena de longe.Fui lá falar com elas e consegui duas coisas que tanto desejava: Primeiro um excelente trample com a malvada e experiente Rainha Bjork, que me pisoteou perfeitamente como nos velhos tempos, dando alguns belos pulos de arrasar; e segundo porque tive a imensa honra de massagear e beijar os lindos pés da tal mulata (que não sei o nome). Os pés dela eram grandes, no mínimo 38, e estavam com um cheirinho maravilhoso. Comecei a massageá-los e a visão que eu tinha de baixo para cima era absurdamente cativante, somente um podólatra nato sabe o que estou falando, então não resisti, logo estava beijando cada pedacinho daquelas solas. Depois que saí um monte de gente “avançou” na moça, e acho que ela deve ter tido escravo aos seus pés pelo resto da noite.
Rainha Sibele, na mesma sala, mas do lado oposto, também recebeu escravinhos adorando seus pés, e eu fiquei devendo um trample a ela.
Poucos sabem, mas tenho prima que de vez em quando aparece em alguma festa, é prima mesmo, de verdade, de sangue, por parte de pai. Foi muita coincidência danada termos nos conhecido em uma festa BDSM há uns anos atrás, e por conta de uma amiga em comum descobrirmos esse laço parentesco. Bom, minha linda priminha Katrina estava presente e logo quis me pisar! Deitei-me e comecei a tirar seus lindos sapatos de boneca, achei fofo e cruel quando ela disse: “Ah, quer descalça? Ótimo, vou te massacrar!”. E cumpriu o prometido, pisou com força, pulou e subiu várias vezes com ambos os pés em meu rosto.
Depois disso, umas amigas do Julio que viram a cena fizeram uma rodinha sobre mim e brincaram de fingir que me pisavam, eu estava com uma máscara maneira de predador que uma delas havia me emprestado. Somente uma resolveu me pisar de verdade, e de sapato de salto, resisti o quanto pude, mas não durei muito.
Fechei a noite com a fenomenal Rainha Onça, no trample mais demorado até o momento. Ela dançou no mínimo três músicas em cima de mim, seus pés não paravam nem um segundo, e a cada pisada eu sentia seu peso em algum lugar diferente do meu corpo, ela parecia não tomar conhecimento de que tinha alguém sob seus pés, e dançava sem se importar com o resultado. Quando acabou tive muita dificuldade de me levantar, mas estava tão feliz quanto destruído. Fiquei tonto de verdade, e saí sem me despedir de quase ninguém, peço desculpas a todos por esse minha indelicadeza, principalmente para os anfitriões Caê e Júlio, sempre perfeitos no quesito simpatia, mas eu estava semi atordoado para subir e descer escadas, tava com medo de cair, e fui embora. A festa ainda rolou por muito tempo e muita play boa ainda acontecia pelos três andares da Six.
Quem foi a essa festa vai ter um desconto de 50% na próxima Fetish Lab, então não perca essa, é nessa sexta, no Castle Of Vibe. Amanhã já anuncio por aqui.
Parabéns ao Caê pela ótima festa, tava com saudades de verdade, e esperamos ansiosos pela próxima. Júlio meu caro, adoramos a invasão.
Um beijo a todos e até sexta na Fetish Lab, na Lapa!

Ps. O texto não foi corrigido, não tive tempo.

31.7.14

Festa Delírium & Fetish Lab - Quinta feira 07/08.



Queridos amigos e amigas fetichistas,



É com grande prazer que anuncio a chegada da grande Festa Delírium, e com muitas novidades, pois haverá a invasão da Fetish Lab no segundo piso! Então se prepare, pois serão dois eventos em um: Delírium – Burlesque & Fetish Lab – Invasion, Day 1. Tudo isso na próxima quinta-feira, dia 07 de agosto, à partir das 20 horas no Club Six: Rua das Marrecas 38 – Lapa – RJ. E ainda tem mais, atenção! Se você comparecer nessa festa você automaticamente ganha um desconto de 50% para a entrada na Fetish Lab – Invasion 2, que vai acontecer no dia 16 de agosto da Castle of Vibe. Então aproveite para curtir essas noites maravilhosas de muita música, animação e fetiche!

A Delírum dessa quinta-feira fará novamente o tão aguardado  Open Bar”,  e dessa vez para todos! Isso mesmo você paga a entrada e terá direito as seguintes bebidas:
  - Cerveja BUDWEISER - Espumante - Caipirinha - Caipivodka - Drinks de Diversos Sabores c/Vodka!
 
- Sexy on the Beach - Lagoa Azul  - Água  - Refrigerantes - Coquetel de Frutas.

 É entrar e não largar mais o copo!. Além disso haverá uma apresentação super especial de uma performance Burlesca com nossa querida musa Isabel Chavarri além de um estande superespecial das meninas da NUDE..
Então não fique de fora, quinta-feira é a sua noite de Fetiches!

Bebida liberada até as duas da madrugada!
Até meia noite homens pagam R$ 50,00 / Mulheres R$ 30 00  (ambos com nome na lista)
Após meia noite homens pagam R$ 70,00/  Mulheres R$ 40,00
Lista amiga: http://www.bdsmrio.com.br/delirium/

Confirme presença no evento ou mande seu nome para Fetishlablista@gmail.com e seu nome vai para os dois dias e se você comparecer ao DIA 1, no DIA 2 você paga APENAS A METADE DO INGRESSO!

24.7.14

Exótic - Medieval Torture - Ata



Em primeiro lugar gostaria de dar os parabéns a todos os leitores desse blog pelo dia de hoje, uma data muito importante, dia 24/07, dia internacional de BDSM. Pra falar a verdade eu não me acho muito incluso nesse meio, sou fetichista, podólatra, e o trample apesar de ser uma prática um tanto sadomasô me atrai por ser feito exclusivamente por essa parte do corpo que tanto me fascina, o pé! Claro que gosto do jogo de sensualidade que pode ocorrer antes, durante e depois de cada trample, e principalmente da visão da mulher poderosa em cima de mim, de suas solas caminhando sobre o meu corpo, o seu olhar de desprezo, a minha fragilidade ao chão sem poder me mexer diante a Deusa; ou seja, me atrai tudo que se possa imaginar e se desenvolver nesse clima que transmite vulnerabilidade e poder. Tem BDSM aí? Dever ter um pouco. É que quando digo que não me incluo muito ao gênero quero dizer que levo meu fetiche de modo tão light que sigo apenas o limite do meu prazer e o da pessoa que no momento participa dele comigo. Não o levo tão a sério! Eu até curto brincar com ele, é minha diversão e meu tesão ao mesmo tempo. Por isso que adoro as festas abertas, já que juntam tudo isso com amplas possibilidades. Não gosto de estudos sobre o tema, filosofias, psicanálises, longas explanações de pseudo-intelectuais sobre o tema em uma mesa de bar. Respeito, mas acho um saco! Acho a liturgia importante, os costumes, as regras objetivas do SSC ou mesmo subjetivas acordadas por determinado casal, ou o lado 24 por 7 que tanto se fala. Mas sou meio desleixado com tudo, comigo o prazer logo toma a frente da situação e me entrego o quanto posso ao momento, e é isso que me faz um podólatra feliz. Contudo, hoje é o dia! Então, você que gosta de um puxão de cabelo com mais força, ou gosta de simplesmente lamber a sola dos pés da sua esposa durante a penetração, sinta-se homenageado um pouco também, assim como eu me sinto, pelo menos um bocadinho. Feliz dia internacional de BDSM!

Agora a festa! Oh, Eu tinha medo da Exòtic não se adaptar a casa, ou da casa não se adaptar a Exòtic, sei lá. O espaço, como eu já disse em outras atas, é completamente diferente dos outros que já recebeu a festa, e não tem aquele fumódromo enorme lotado de mesas que tinha na Marun, onde o pessoal batia papo e se mantinha um pouco afastado da boate propriamente dita. Mas graças a Deus a adaptação foi perfeita e a festa foi ótima (achei umas das melhores dos últimos meses), era entrar e se sentir na boa e velha Exòtic: a começar por uma corda que descia do teto e que terminava em um bambolê, útil tanto para sessões de Spanking como para apoio para trample. Serviu até de balanço para algumas Deusas brincarem e para uma linda apresentação meio acrobática (depois falo disso).
Marquei a concentração lá no bar Sinucas da Lapa, como fiz das outras vezes, só que sexta-feira aquilo fica absolutamente lotado, cheguei lá quase dez da noite e não tinha uma mesa sequer, então fomos parar em uma lanchonete logo abaixo do Castle Of Vibe, onde tem latão de antártica por cinco reais e um monte de tira-gosto legal. O único problema continua sendo mesa pra sentar, nessa lanchonete tem um balcão pequeno e duas mesas que mal cabem uma cadeira em cada um dos lados. Mas como fica bem ao lado da entrada da festa o pessoal acaba ficando em pé ali pela frente e cumprimentando os que já vão chegando e entrando na fila. Ah, a fila! Que saco ter que se “cadastrar” não é mesmo? “Como é seu nome? Heim? Quaternado? Isso não é seu nome de verdade não é?” AFF!
Mas fora esse deslize achei o pessoal da casa simpaticíssimo, colaboradores de alto nível. Eu já tinha percebido isso na festa do Júlio, e agora confirmei de vez!
Ainda durante a concentração fui resolver um problema sobre o barman e me puseram pra trabalhar, tive que levar um monte de cadeira do segundo pro terceiro andar. Foi bom que deu pra dar uma espiada e uma opinada na distribuição de mesas que a anfitriã Lotos idealizou, e tudo ficou muito bem montadinho. Levei duas chibatadas nas costas ainda na tal concentração, quem bateu foi minha linda Deusa Camille Dame, e como doeu! Subimos todos pra festa!

Já estava bem cheia quando entramos, e já vi plays por toda à parte. Lembro da poderosa Rainha Sibele fazendo um podo lamber as solas de seus pés, e de um belo trample da Sexy Lady com algum sub que não me lembro agora quem era. O trample foi bacana porque ela toda hora levantava as solas e pisava somente com os dedinhos, feito bailarina, depois descia o peso rapidamente para os calcanhares, como se relaxasse da posição anterior.
Quando subi pro terceiro piso percebi que era ali que o coro estava comendo de verdade! Rolava duas plays de Spanking ao mesmo tempo, um casal eu já conhecia de vista de outras festas, mas o outro eu não conhecia. O chicote era usado com força e vontade. Do lado de dentro da salinha rolava tipo que uma festa à parte, o pessoal bebia, conversava e praticavam algumas brincadeirinhas. Camille Dame tinha os dois belos pés adorados por um podo que se dedicava a lamber cada trechinho deles, e eu enquanto via e escrevia essa cena na minha folha de papel era pisado pela Senhora Lúcia de salto, que para se apoiar se segurava na Rainha Sapphire que também pisava com suas delicadas solinhas em minhas mãos. Tudo isso num pequeno espaço físico.
Depois foi a fez da Quimera me pisar bastante, foi um trample perfeito, ela sabe fazer. Pisa firme e sua postura é sempre autoritária. Caminhou por todo o meu corpo enquanto se apoiava no tal bambolê, às vezes dava alguns fortes pulos! Foi perfeito! Como meu brother Fernandez não estava lá (fez falta), aproveito aqui para agradecer pela play. Um beijo no casal.
No meio da festa houve uma interrupção na música para Carlos fazer seu Stand up. Um pouco antes disso ele havia me dito para colocar uma roupa dessas de Látex (ou Vinil?) que me cobriu da cabeça aos pés e que dificultava muito a respiração. Como prêmio ele me prometeu que quando acabasse o show mulheres viriam me pisar em sintonia com uma das piadas sobre futebol que ele contaria. Então fui lá, pus a roupa e desci feito uma múmia para acompanhar o Stand UP do Carlos.  Eu não conseguia nem respirar direito, que dirá rir de suas boas piadas com aquela roupa que me cobria todo. E no final, ele encerra o show e se esquece de mim, ali do lado, todo mumificado! Mas valeu a pena, o show foi muito legal, apesar de eu não ter ganhado as pisadas prometidas!
Logos após isso, uma linda gata, bem produzida, fez uma bela cena de acrobacia no bambolê. Na verdade foi uma mistura de dança com acrobacias. Bem legal mesmo.
Fiz mais uns bons tramples, mas não me lembro com quem, já estava pra lá de Bagdá!
Lembro da Rainha Jade sentada em cima de alguém e tendo os pés beijado por um outro alguém, numa linda cena de podolatria e submissão, também a vi fazendo trample num sub feliz. Assisti um spanking entre mulheres e uma linda play com Velas. E finalmente meu amigo Mário reapareceu depois de uns meses sumidos, só não lembro se fez alguma play.
Saí de lá quase 5 horas da manhã, e a festa ainda bombava com muitas performances. Para saber mais, vejam as fotos na página da Exótic no Facebook.
Parabéns a minha irmã lótus pela ótima festa, a casa funcionou!
Beijos em todos vocês! Obrigado pelo carinho de sempre!

"Respeite as regras. Então jogue todas fora. Pela primeira vez, você atinge a liberdade." (Bashô) 

14.7.14

Exótic em Casa Nova! Sexta-feira!




Amigos e amigas fetichistas,

É com muita felicidade que convido todos vocês para uma reestréia fetichista na cidade maravilhosa, a nossa tradicional festa exótica está em casa nova: "Exòtik Fetish Fest – Medieval Torture". O evento será na próxima sexta-feira, dia 18 de julho, a partir das 23 horas no Castle Of Vibe, localizado na Avenida Gomes Freire 814, Lapa, Rio de Janeiro.

Venha se divertir nessa grande festa fetichista, onde teremos um excelente espaço liberado para qualquer
prática feichista: Trample, adoração de pés, Spanking, Torturas de todo o tipo, Poney Boy, Velas, Voyerismo, Shibari, Dog Play, Cross Dresser, Bondage, CBT, Suspensão, e muito mais. Muita gente bonita já confirmou presença.
A lapa, berço da Boemia carioca é novamente escolhoda para abrigar essa grande festa, o local é super discreto e seguro. Teremos o DJ Finno tocando a noite som dos anos 80, Eletro Pop, House, Tribal e muito Rock'n'Roll , além de vários filmes BDSM e fetichistas selecionados por mim e pelo experiente VJ Mário Tapete.
Haverá ainda Fetish Shows, variadas performances de BDSM, estande de acessórios, sorteio de brindes e muito mais...

Ingressos no local:
Homens 50 Reais (Com nome na lista pagam somente 40 Reais)
Mulheres 30 Reais (com nome na lista pagam somente 15 Reais)
C. D. 30 Reais (a noite toda)

Lista amiga: Existem três o opções para colocar seu nome na lista e arranjar o desconto:
1-     Colocando o nome na página do evento no Facebook
2-     Mandando um SMS com o seu nome para: 21 9 9784 6948
3-     Mandando um e-mail para mim até as 18 horas do dia da festa – quaternado@yahoo.com.br

Dress Code (opcional) : All Black, Fetish, Couro, Latex, Lingerie, Vinil, Style Sexy, Goth e Zentai

Informações: 21 9 9784 6948    
Lótus Produções Fet
* Proibido fotografar
* Sujeito à lotação e alteração sem aviso prévio.
* Classificação etária 18 anos

Ps. Faremos nossa tradicional concentração a partir das 22 horas no bar Sinucas da Lapa (Rua Riachuelo 44 - Lapa), bem próximo ao local da festa. Chegue mais cedo e comece a se envolver antes.